Autismo: Veja o relato da Thais Dias, mãe de Ryan Dias, diagnosticado com o Transtorno do Espectro Autista

“Mãezinha, existe uma probabilidade bem grande do seu filho ter Transtorno do Espectro Autista (TEA)“.

Anuncie aqui

“Ryan nasceu de 34 semanas e por esse motivo eu nunca desconfiei de nada, atualmente ele tem dois anos e meio, mas, a investigação começou quando ele tinha apenas um ano e meio. Eu achava normal seu atraso devido à prematuridade.

Com um ano e meio, ele precisava passar pelo neuropediatra, acompanhamento por conta da prematuridade. Quando finalmente ele foi chamado para a consulta, veio o choque: “Mãezinha, existe uma probabilidade bem grande do seu filho ter Transtorno do Espectro Autista (TEA)“. Iniciamos a investigação e 5 meses depois ele foi devidamente diagnosticado com Autismo Moderado nível 2 de Suporte e Síndrome de Terror Noturno.

Entramos na fila de espera para terapias pelo SUS. Matriculei ele no CMEI com dois anos. Até então ele falava em torno de 8 a 10 palavras e, com um mês frequentando o CMEI, ele desenvolveu significativamente a fala, começou a contar até 10. O que para mim foi um avanço gigante.

Quando ele retornou às aulas no CMEI, foi um pouco difícil, mas logo se adaptou, e o trabalho conjunto de família, escola e terapia logo começou a trazer mais resultados positivos como, por exemplo, o desapego do calçado, que ele não tirava do pé nem para dormir, ele começou a tirar no CMEI para realizar as atividades.

Ainda está desenvolvendo gradualmente a socialização, mas os avanços são notórios, são pequenas conquistas que mudaram, já que eram coisas que interferiam bastante no seu desenvolvimento, essas mudanças o ajudaram a reduzir as crises sensoriais, e a dormir melhor.

Sei que ainda tem muito trabalho a ser realizado, mas como disse, essa união de terapia, família e, principalmente, escola tem dado muito certo. Acho muito importante que esse trabalho seja em conjunto, pois assim a criança só tem a ganhar.

Estudar e aprender sobre o autismo também é parte do processo. Apesar das crianças com TEA se irritarem e se estressarem facilmente, Ryan é uma criança amorosa, vamos vivendo e nos adaptando conforme o melhor para ele, buscamos estar sempre preparados e orientados para lidar da melhor maneira possível com cada situação e assim tornar sua vida mais fácil”.

Fonte: Assessoria da Prefeitura de Itaipulândia.

Anuncie aqui