Bebê que morreu durante vendaval no Acre ainda não era registrado e família perdeu tudo

Pais foram fazer o registro de nascimento da criança nesta sexta-feira (07/10) para conseguir a liberação do corpo no IML. Família morava de favor na casa de um parente e imóvel ficou destruído por conta do temporal.

Bebê de seis meses morreu após ser arremessado a 25 metros de distância durante vendaval no AC — Foto: Arquivo pessoal
Anuncie aqui
Anuncie aqui

O bebê de seis meses que morreu após ser arremessado junto com o telhado de uma casa durante um vendaval em Rio Branco, nessa quinta-feira (06/10), não tinha certidão de nascimento, segundo informou uma parente. Por isso, os pais precisaram fazer o registro dele nesta sexta (07/10) para conseguir a liberação do corpo no Instituto Médico Legal (IML).

Maria de Jesus Magalhães, de 29 anos, que é cunhada do pai do bebê, contou que a família morava de favor no local e que o imóvel ficou destruído com o temporal. No momento do acidente, estavam na casa a mãe, o menino de seis meses, que era chamado de Jeferson e uma outra filha de 2 anos.

“Do nada veio essa tempestade, muito vento e chuva. A rede estava amarrada nas perna-mancas da casa, o vento pegou e levou o telhado com tudo e a criança que estava na rede foi parar no outro terreno. Destruiu tudo, foi horrível. A mãe do bebê contou que como tinha começado a chover, a outra filha fechou a porta, veio a rajada de vento e levou a casa com neném e tudo. Hoje [sexta, 7], eles ainda estão tentando mexer com documento para poder enterrar a criança”, contou Maria.

Casa da família ficou completamente destruída — Foto: Divulgação/Defesa Civil de Rio Branco

Tragédia

O acidente aconteceu no Ramal Novo Horizonte, no bairro Vila Acre, região do Segundo Distrito da capital. De acordo com a Defesa Civil Municipal, a criança estava dormindo em uma rede quando o vendaval começou e, com a força do vento, o telhado foi arremessado com a estrutura onde estava amarrada a rede.

Com a força do vento, o bebê foi arremessado a uma distância de aproximadamente 20 a 25 metros da casa, conforme a Defesa Civil.

Por conta da situação, a família pede ajuda para tentar construir uma outra casa. “Essa casa era de um irmão dele, mas agora não querem mais morar lá, porque é complicado depois do que aconteceu. Essa noite passaram a noite aqui na minha casa e agora estão tentando conseguir ajuda para construir em outro lugar. Ele é servente de pedreiro, são muito humildes e ela é dona de casa mesmo”, contou a parente.

O bebê ainda chegou a ser socorrido por vizinhos, que ainda tentaram levá-lo até o hospital, mas ele teve traumatismo craniano e morreu antes de chegar na unidade de saúde.

Fonte: G1

Anuncie aqui